Participe da posse de Tony Panetone como governador do DF!!!

Por João Telésforo Medeiros Filho
Rogério Rosso foi “eleito” governador-tampão do DF com 13 votos, 8 dos quais de deputados diretamente envolvidos no mensalão do Arruda. É um sujeito que foi secretário do Roriz e presidente da CODEPLAN durante governo Arruda (mesmo cargo que Durval Barbosa ocupou durante governo Roriz).

Trata-se de um golpe. Não podemos reconhecer legitimidade desse processo nem esse cidadão como governador do DF!

Por isso, o movimento Fora Arruda e Toda Máfia convoca todos e todas a participarem hoje da posse de Tony Panetone como governador do DF!!! Às 18h (daqui a pouco!!), no relógio do aniversário da cidade próximo ao Mcdonalds da torre de tv! (Afinal, mais do que 13 votos o Tony tem…)

Aproveitamos para lembrar que, como alternativa à comemoração oficial, do GDF corrupto, está rolando uma extensa e qualificada programação cultural do “Brasília, outros 50”. Ver programação aqui: http://www.brasiliaoutros50anos.com.br/

Vemo-nos daqui a pouco na posse do Tony! Chame o máximo de pessoas para irem ao ato com você! Vamos comemorar os 50 anos de Brasília mostrando que o povo brasiliense não aceita a continuação dessa máfia no poder!
PS: pra quem ainda não conhece Tony Panetone: hoje de manhã, ele chamou o Rosso para um debate, mas o governador fugiu, protegido pela polícia…
Anúncios

Luto! Obituário de Brasília

Edemilson Paraná

Brasília morreu! Agonizante no leito de morte, chegou a respirar e pedir por um remédio mais forte. Seus filhos gritavam aos médicos para que pelo menos aplicassem um pouco de intervenção federal em suas veias, para que fizessem qualquer coisa.

O tratamento foi negligente e a pobre morreu tomada pelo câncer Arrudo-rorizista. Abaixo o obturário.

Obituário*:

Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Filha da esperança, Brasília foi muito planejada por seus pais. Com seu nascimento esperavam a união da família Brasil. Ainda criança, no entanto, a pequena Brasília foi vítima de um mal terrível: a Ditadura Militar. Esse mal atacou toda a sua família e a submeteu a maus tratos por 20 anos. Deixou seqüelas terríveis. Já no fim da doença ditatorial, quando parecia se recuperar, a pequena Brasília foi tomada por um câncer coronelista de nome Roriz. Os males causados por Roriz se alastraram pelos sistemas de Brasília. Vítima de sucessivos ataques no final do ano de 2009, em decorrência de infecções, Brasília foi para a Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital e não saiu mais. Neste sábado, dia 17 de Abril, seus órgãos deram o ataque final no sonho de sua família e Brasília morreu.

Brasília deixa 2.606.885 filhos que estavam prontos para comemorar seu qüinquagésimo aniversário nesta quarta feira, dia 21. Em protesto, marcharão através de seu corpo em luto, com a solidariedade de toda sua família que torce para que esse mal acabe por aqui.

Não há mais o que comemorar! Manifeste seu luto!

No dia 21 de abril (4ªfeira), quando Brasilia “completaria” 50 anos vista roupas pretas e participe do “Brasilia, Outros 50” (Funarte). Mostre sua indignação nesse velório você também!

*Por Gabriel Santos Elias

Eleições Indiretas, Tony e Bezerra

Por Laila Maia Galvão

Na semana passada, o deputado federal Alberto Fraga, um dos políticos “sobreviventes” do DEM do DF, se dirigiu à tribuna da Câmara para se pronunciar a respeito da eleição indireta. Em afirmação infeliz, disse que a inscrição da chapa de Tony Panetone só poderia ser coisa de estudantes da UnB, que nunca têm o que fazer, já que na maioria do tempo estão em greve.

Em uma só frase, o ilustre deputado foi capaz de ironizar o movimento de greve da UnB e rebaixar à categoria de baderneiros e irresponsáveis os estudantes que participam do movimento estudantil.

 É espantoso o fato de o deputado ter ficado “enojado” com a publicação da inscrição de Tony no Diário Oficial da CLDF. Ao mesmo tempo, as chocantes imagens de pagamento de propina veiculadas na mídia no final do ano passado não parecem ser dignas de tamanha indignação.

Mas a assessoria da chapa de Tony Panetone, que traz como vice Bezerra Dourada da Silva, informa que “todos os deputado podem ficar tranquilos, pois Tony não vai criar problemas com outros companheiros da CLDF e permitirá que todos continuem sacaneando com o dinheiro público”.

Para mais informações sobre a campanha de Tony, clique aqui.

E assim continuamos nossa saga… pela construção de uma nova política para o DF!

Hoje, a CLDF irá analisar os documentos das chapas inscritas.

Notícia do site G1:

PSDC desiste e eleições indiretas do DF terão nove candidatos

Nesta terça-feira (13), Câmara analisa documentação das chapas.
Eleições indiretas estão marcadas para 17 de abril.

No último dia antes de a Mesa Diretora da Câmara Legislativa do Distrito Federal decidir quais chapas poderão concorrer às eleições indiretas do DF, o Partido Social Democrata Cristão (PSDC) retirou a candidatura de Virgílio Macedo. Nesta terça-feira (12), a Mesa Diretora da Câmara analisa os documentos para avaliar se as nove chapas inscritas estão dentro da legalidade e poderão participar do processo eleitoral.

O PRTB fez mudanças na composição da chapa e concorrerá com Simone Nunes para governadora e Paulo Fernandes para vice. O PSL mudou somente o vice, que agora é Clodoaldo Andrade. A assessoria da Câmara informa que outros seis partidos levaram documentos, que serão analisados pela Procuradoria da Câmara.


O Distrito Federal enfrenta uma crise política desde que a Polícia Federal deflagrou, em novembro de 2009, a Operação Caixa de Pandora. A PF investiga um suposto esquema de propina no governo distrital que envolveria o primeiro escalão do Executivo local, que levou à prisão e afastamento do então governador José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM) por tentativa de suborno de uma testemunha do caso.

Dias depois, o vice-governador Paulo Octávio renunciou ao cargo, assumindo interinamente o então presidente da Câmara Legislativa, Wilson Lima. Durante a prisão, Arruda teve o mandato cassado pelo TRE-DF por infidelidade partidária, deixando vago o cargo de governador do DF.

Relembrando o caso da Bezerra: