Hugo Chávez e os novos caminhos da América Latina

Segue abaixo, como contribuição ao debate sobre Hugo Chávez e o seu legado, texto do professor Pio Penna Filho, do Instituto de Relações Internacionais da UnB.

chavez_latinoamerica

A morte de Hugo Chávez não afetará apenas a Venezuela. Chávez foi um líder que sempre enfatizou a América Latina como um todo. Sua visão política rompia com a barreira da nacionalidade do seu país e vislumbrava uma América Latina unida em torno de um ideal “pan-latinoamericano”. Foi um desses líderes carismáticos que surgem apenas de tempos em tempos e que deixam um registro histórico que geralmente sobrevive durante muitas e muitas décadas.

Em termos de política internacional, Chávez rompeu com o marasmo latino-americano. Vínhamos num ritmo lento, quase sem ousadia na cena internacional. Durante a década de 1990, boa parte dos países da região seguia obediente aos mandos e desmandos de Washington, sem sequer se atrever a questionar os pressupostos neoliberais irradiados a partir dos Estados Unidos. Depois da Revolução Cubana, Chávez foi o grande contraponto a esse estado de coisas.

Esse cenário começou a mudar quando Hugo Rafael Chávez Frías assumiu o poder na Venezuela e passou a questionar, cada vez com mais intensidade, a impertinência do modelo neoliberal e mesmo da ordem internacional vigente para as sociedades latino-americanas, marcadas por profundas desigualdades sociais.

O comando de um importante país produtor de petróleo fez uma enorme diferença para que os ideais políticos de Chávez, de caráter socialista e mesmo que um tanto confusos, fossem colocados em prática.

Assim, com os recursos obtidos pelo espetacular aumento dos preços do petróleo no mercado internacional, Chávez promoveu uma ampla política de distribuição de renda que hoje, diante da verdadeira comoção nacional em torno de sua despedida, nos permite ter uma ideia do seu impacto na sociedade venezuelana.

No plano internacional, a Venezuela chavista estendeu a mão para alguns países mais pobres da América Latina, como Bolívia, Cuba e Nicarágua. Com a chamada Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América, ou ALBA – que mesmo tendo obtido modestos resultados práticos –, Chávez inovou mais uma vez ao propor algo diferente dos tradicionais esquemas de integração regional baseados quase que apenas na ampliação das trocas comerciais.

Projetando a Venezuela para fora da América Latina, Chávez ousou em se aproximar de regimes considerados como praticamente párias pela hegemonia norte-americana, como os regimes sírio (Bashar al Assad), líbio (Muammar Gaddafi) e, com mais intensidade ainda, com o iraniano, tendo visitado o país persa em várias ocasiões durante o seu governo.

Com a Rússia, assinou um acordo comercial para compras de armas e equipamentos militares que irritou Washington e deixou muitos governos da própria América Latina preocupados com a modernização das forças armadas da Venezuela.

Chávez fará falta para a Venezuela, para a América Latina e para o mundo como um todo. Sua visão da política, que está longe de ser consensual, irrita muitos mas agrada outros tantos. Uma das suas grandes contribuições foi justamente essa, a de apontar em direção a uma outra via, diferente, sonhadora e preocupada com as questões sociais, algo que anda muito em baixa entre os governantes e líderes do início do século XXI.

Anúncios

A disputa pelo espólio político de Chávez e o futuro da revolução bolivariana

Chavez

Por Edemilson Paraná

Guardadas as devidas diferenças ideológicas, a morte de Hugo Chávez na Venezuela talvez seja equivalente no Brasil apenas à morte de Getúlio Vargas. Lá, como aqui, uma grande disputa pelo espólio político do “comandante” deve ocorrer e, com ela, o desenho de todo um rumo (novo?) para a nação. Chávez teve tempo de “organizar” minimamente sua morte? Deixou testamento político? Como se comportarão o Exército e a Suprema Corte, aliados da revolução?

Há disputas consideráveis dentro do Chavismo, e a direita – que vem se reorganizando há algum tempo – certamente se aproveitará delas. Os EUA, saudosos do tempo em que tinham no no país um petro-quintal, devem influenciar. Líderes latino-americanos devem reagir e uma crise se avizinha, mas tudo indica que o destino do país dependerá mesmo é do povo venezuelano e de como ele receberá os “significados” dessa morte. A revolução sobreviverá sem Chávez? As conquistas sociais estão vinculadas a ela no imaginário popular?

Nas últimas eleições, Henrique Caprilles, o candidato opositor, utilizando-se de um discurso moderado obteve expressivos 44% dos votos. Não é pouca coisa. Se a interpretação da Constituição do país que determina a convocação de novas eleições em 30 dias prevalecer, ele deve ser o candidato natural. E vem forte. Um chavismo dividido teria sérias dificuldades nesse cenário.

Com todos os limites, contrições e equívocos, Chávez foi um dos maiores líderes políticos de seu tempo. Promoveu mudanças profundas na vida da população e mudou para sempre a política venezuelana. Ícone da resistência latino-americana ao neoliberalismo, teve papel fundamental na construção de um outro equilíbrio de forças no continente. O impacto de sua morte ultrapassa as fronteiras da República Bolivariana.

Se episódios como os golpes em Honduras e no Paraguai, bem como a resistência colombiana, patrocinada pelos EUA, às mudanças no continente nos relembram as ameaças à soberania dos países da América do Sul, o tempo é de união, nacional e regional, em torno das conquistas democráticas e cidadãs das mudanças ocorridas na Venezuela.

Chavez sai da vida para entrar para a história. Os rumos de sua “revolução”, no entanto, seguem em disputa. Para que a Venezuela não sofra um retrocesso, mas, ao contrário, reafirme seu destino de país livre e soberano, será preciso unidade política. Que os erros – que não foram poucos – sejam corrigidos e as mudanças aprofundadas para o empoderamento histórico (e de fato) daquele que deve ser sempre o protagonista de toda mudança real: o povo!