Sarau do #negociaagnelo

Imagem

Aqui para saber mais sobre a campanha
Aqui link para o evento no Facebook (chama todo mundo, vai?!)

Pois é, minha gente, a vida há de continuar até que o Agnelo negocie, certo?!

Não, não vamos deixar o prédio, vamos resistir à reintegração de posse! Mas quem disse que resistência é coisa de gente sisuda? Nossa resistência é livre, feliz, subversiva e alegre como a vida que tomou de vez esse esqueleto sem alma!

Então a hora é essa! Compartilhados os memes, lotadas as caixas do GDF de mensagens; blogada, curtida e compartilhada nossa revolta, a hora agora é de ir pra rua e gritar junto com as famílias em alto e bom som: #NEGOCIAAGNELO

Então é isso, Sarau do #negociaagnelo nesse domingão na ocupação! Isso mesmo, amanhã! Bora? Leve os amigos e apoiadores: vamos pintar, cantar, dançar, rimar e resistir da melhor forma que já inventaram: com arte!

Mas o prazo para o despejo não vence nesse sábado? Sim. Mas quem disse que nos preocupamos com isso?! A vida segue assim como nosso sarau. Não vai haver despejo até o que Agnelo negocie!

Chegue chegando, traga todo mundo! A ocupação é no Pistão Sul, próximo ao Taguatinga Shopping, no centro de Taguá. A movimentação começa a partir das 14h. A programação será divulgada aqui conforme for confirmada. E, claro, seu talento pode e deve ser exposto: venha fazer arte com a gente. Tem algo pra mostrar? Diga aqui e vamo nessa! Toda ajuda é bem-vinda agora. Povo do audiovisual…esse é o evento! Tragam câmeras, gravadores e a parafernalha toda!

E tem mais! As famílias estão precisando de ajuda. Roupas, brinquedos e, sobretudo, alimentos. Traga o que você puder! Fechou?!

#negociaagnelo

Aqui link para o evento no Facebook (chama todo mundo, vai?!)

Anúncios

MTST ocupa o Palácio do Buriti

O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto acaba de ocupar o Palácio do Buriti com cerca de 500 pessoas. Eles reivindicam a permanância de 900 famílias acampadas em área na Ceilândia (DF), onde estão desde o dia 21 de Abril. O Governo do Distrito Federal já solicitou a reintegração de posse do terreno, que pertence oficialmente à Terracap. O prazo dado às famílias para que deixem a área é essa sexta-feira, dia 4. Elas se negam a deixar o local e se dizem dispostos à resistência. Com a ocupação no Buriti, o movimento reivindica que o GDF retire a reintegração de posse da área.

Novo Pinheirinho (DF) apresenta suas armas

Por Edemilson Paraná

A intransigência do Governo do Distrito Federal pode produzir um desfecho trágico no acampamento Novo Pinheirinho em Ceilândia, a 25 km de Brasília. Certas de que a moradia digna é um direito, as 900 famílias acampadas – entre mulheres, jovens e crianças – preparam a resistência; e nada as convence do contrário. A ação de reintegração de posse já saiu e determina que as famílias deixem o local até essa sexta-feira (dia 4).

No acampamento, presenciei uma disposição para luta que jamais havia visto antes. Impossível não lembrar de Marx: eles tem pouco a perder, senão a próprias correntes. E não há que se falar em invencionisse irresponsável, em agitação pseudo-revolucionária. O destino dessa gente foi tomado à força, por eles mesmos nessa luta; daí o valor imenso da resistência:  a palavra cidadania, jóia de nossa retória política burguesa, se tornou sinônimo de terra, chão, suor e luta.

“Não temos mais nada a perder, já vivemos uma vida de muito sofrimento, meu filho”, disse-me uma senhora. “Se morrermos, virão outros e outros. Pra alguns aqui, morrer seria até um alívio”, disse-me outro morador. Sim, morador! É assim que eles passaram a se designar depois que muduram para QNQ/QNQ em Ceilândia. Se antes o quarto, o cortiço, a moradia alugada era chamada de “o lugar onde eu pago aluguel”, aqueles precários barracos de lona cravados no chão batido são orgulhosamente denominados “casa”. E entre olhares corajosos em sorrisos cansados ouvi que “está tudo bem”, que “até aqui está ótimo” viver no Novo Pinheirinho.

É contra a morte, a dor e a humilhaçao que a vida em Novo Pinheirinho apresenta suas armas: mãos calejadas, braços unidos, peitos abertos.

Novo Pinheirinho prepara resistência ao despejo

Do site do MTST

Diante da decisão do Governador Agnelo Queiroz em apostar no despejo e na repressão, ao invés de negociar solução habitacional para as famílias da Ocupação Novo Pinheirinho, em Ceilândia, os acampados iniciaram a preparação da resistência.

O terreno foi cercado de barricadas e os moradores se preparam para evitar um massacre. A ocupação já conta com mais de 900 famílias, muitas das quais não tem lugar para ir, em caso de despejo.

A postura do Governo Agnelo parece anunciar a versão petista do Massacre do Pinheirinho, feito pelo Governo do PSDB, em São José dos Campos. Se não recuar, o GDF transformará os questionamentos do PT ao despejo do Pinheirinho em retórica vazia. Mostrará ainda que as diferenças entre o PT e os tucanos no trato com as lutas sociais são bem menores do que parecem.

O MTST, diante da posição lamentável de Agnelo, expressa duas definições:

1. Organizaremos a resistência contra a tentativa de tratar o problema da moradia como caso de polícia.

2. Apelamos aos setores do PT que tenham compromisso com as lutas sociais que intercedam junto ao GDF para evitar o conflito que pode terminar em massacre.

3. Nossas ocupações em todo o Brasil estão de prontidão para fazer uma mobilização nacional em caso de ataque ao Novo Pinheirinho de Brasília.

NÃO PASSARÃO!

RESISTIREMOS!

MTST, A LUTA É PRA VALER!

Governo Agnelo ameaça despejo violento no Novo Pinheirinho(DF)

Do site do MTST

Em reunião com o MTST, após a ocupação do prédio da Terracap pelo Movimento, representantes da Secretaria de Governo do Distrito Federal afirmaram que o Governo do DF (PT) entrará com ação judicial e usará efetivo policial para despejar as mais de 500 famílias da Ocupação Novo Pinheirinho, em Ceilandia.

É importante saber que a ocupação foi resultado do descumprimento de acordo firmado com o Movimento pelo GDF em 2011. Este acordo previa a viabilização de moradias para as famílias ligadas ao MTST nas regiões de Brazlandia e Ceilandia, além de 400 bolsas aluguel. Após 2 meses, o GDF suspendeu o pagamento das bolsas e interrompeu as negociações.

Por isso ocupamos e por isso resistiremos.

O Governador Agnelo, que neste momento está na midia nacional por suas relações com Carlinhos Cachoeira, parece querer realizar a versão petista do massacre do Pinheirinho, em São José dos Campos, pelo Governo tucano de Alckimin.

O MTST deixa claro que, se optar pelo despejo, o Governador terá que manchar suas mãos de sangue, pois não sairemos do terreno sem uma solução habitacional para as famílias.

RESISTIREMOS!

MTST, A LUTA É PRA VALER!

Abaixo, vídeo com imagens do dia ocupação.