O dia em que a poesia calou o fascismo

Cem anos de Vinicius de Moraes. Não esquecer que o poeta, músico, diplomata,  dramaturgo foi perseguido e aposentado compulsoriamente pela ditadura civil-militar. Não esquecer que a poesia é subversiva, como a “flor que brota do asfalto” de Carlos Drummond – que disse, sobre Vinicius: “De todos nós, ele foi o único que ousou viver como poeta”. Não esquecer que o amor é uma força revolucionária avassaladora, a mais temida por toda forma de opressão.  Não esquecer Vinicius de Moraes.

Reproduzo texto de Renzo Mora, narrando episódio que merece ser contado e lembrado eternamente. O dia em que Vinicius confrontou, armado com seus versos, os apoiadores da ditadura de Salazar, em Portugal. O dia em que o lirismo impôs-se sobre o fascismo.

A poética que calou os salazaristas

Vinicius+de+Moraes++1.jpg

Centenário de Vinicius de Moraes.
E uma história para os leitores portugueses e brasileiros da Obvious, estes irmãos separados por um mesmo idioma.
Em 13 de Dezembro de 1968, dia em que a ditadura brasileira instituiu o Ato Institucional número 5, o ponto máximo da escala totalitária dos militares, o Poeta estava em Lisboa.
Fazia um show acompanhado pela cantora Marcia e pelo violonista Baden Powell por lá, quando recebe a notícia. Do palco, comunica ao público sua tristeza com a situação do Brasil e lê seu poema “Pátria Minha”.

Quando sai do hotel, o Poeta se vê cercado por salazaristas revoltados com seu discurso contra a ditadura. É aconselhado a usar uma porta alternativa. Recusa-se. Sai e olha os manifestantes raivosos.
Ouve as vaias e as palavras de ordem que contagiam os idiotas de qualquer orientação política nestes momentos.
Então, ergue a voz e recita:

De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo.
A oeste a morte
Contra quem vivo
Do sul cativo
O este é meu norte.
Outros que contem
Passo por passo:
Eu morro ontem
Nasço amanhã
Ando onde há espaço:
– Meu tempo é quando.

Trata-se da Poética, que ele escreveu em 1950, quando estava em Nova York. Na metade do poema, uma voz com sotaque brasileiro repete o poema com ele. É um estudante que está junto com os salazaristas. Os revoltosos se calam aos poucos. Um ou outro tenta gritar, mas a força dos versos de Vinicius os cala e, ao final, só se ouve o Poeta.
Um primeiro rapaz tira o casaco e o coloca no chão, para servir de tapete para Vinicius. Outros o imitam em seguida.
Vinicius, que estava ameaçado por um grupo furioso, agora sai de cabeça erguida pisando em um mosaico de paletós e sobretudos.
A história está na biografia de Vinicius, “O Poeta da Paixão”, escrita por José Castello.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s