Paul Singer, um jovem de 80 anos

Jovem. O que significa essa palavra? O que significa ser jovem? A Presidência da República, ao criar a Política Nacional da Juventude, inclui no termo “Jovem” todos aqueles que estão entre a idade de 18 anos e a de 24. Pelo menos são esses os atingidos pelo Programa Nacional de Inclusão de Jovens, primeiro programa dentro dessa política nacional. Claramente, essa definição não é exata. Alguns dirão que a idade do jovem vai até os 30 anos, outros dirão que é até os 29, etc. Fato é, entretanto, que não se entende, normalmente, que o termo esteja desvinculado da idade. Quando as pessoas utilizam o termo, geralmente referem-se a pessoas de uma determinada faixa etária e se diferenciam dos “jovens” dizendo que já possuem esta ou aquela idade, supostamente superior ao limite daquilo que é jovem.

Acredito, porém, que é consenso que um senhor de 80 anos, pelo menos no senso comum, não é entendido como jovem. A não ser num clube de idosos no qual ele seja o mais novo, ou coisas do tipo.

Essa concepção de juventude, por demasiadamente objetiva no quesito numeral da idade, olvida um aspecto do “ser jovem” que, ao que tudo indica, é exatamente o que dá significação substancial ao termo, isto é, a capacidade de se sentir “novo”. E esse “novo” não diz respeito somente à idade. Diz respeito à capacidade de arriscar, de se jogar, de, enfim, sonhar e investir libido em experiências e esperanças ainda não conhecidas. Paul Singer é, antes de qualquer outra qualificação que o defina, um jovem. Acredita e vive o novo. Explora, inova, sonha, empenha sua vida ao desfrute de novas perspectivas para a sociedade de amanhã.

Seu projeto de economia solidária, e tudo que acompanha essa perspectiva, é fruto de um olhar crente numa sociedade estruturalmente diversa da que vivemos hoje. Tem por base, pois, uma construção capilarizada de novos agentes sociais emancipados e, consequentemente, capazes de transformação diária da estrutura econômica. Pensar a economia solidária, como disse o Jovem de 80 anos no curso de economia do B&D ontem, é pensar também numa sociedade que privilegia mais outros aspectos que a mera acumulação de capital. É pensar em outros objetivos, outras prioridades. A solidariedade como ponto central desse projeto escancara a perspectiva de uma felicidade no e a partir do outro (existe outro tipo de felicidade?).

É claro que a bibliografia da alteridade é extensa nesse aspecto e é inevitável fazermos paralelos com todas elas ao escutar esse tipo de exemplo. A diferença de Singer é que, quando ele diz isso, todo seu discurso está repleto de vivência. Ele vive tudo isso. Seu jeito brasileiramente cordial e sua disposição invejável para discutir e explicar o porquê desse projeto mostram que seu vínculo com a implementação da economia solidária deixou, há muito, de ser um projeto exclusivamente político. O projeto da economia solidária é existencial para Singer. Sua vida gira em torno das sensações que a economia solidária lhe proporcionam e, se não toda, grande parte de sua libido está investida na realização dos projetos que envolvam a solidariedade econômica.

Ver alguém tão imerso na política macro como ele com toda essa ânsia e crença na mudança é, sem sobra de dúvidas, inspirador. Não há nada mais desejável, atraente, empolgante, envolvente que ver pessoas que lutam e se empenham em atingir seus objetivos. Ainda mais quando esses objetivos são ambiciosos. Ainda mais quando esses objetivos são inovadores.

Os “jovens” de hoje em dia, adeptos das relações virtuais e das frequentes mudanças abruptas de gostos, conceitos e formas de comunicação, têm muito o que aprender com esse jovem que se embasa em percepções simples e, de certa forma, constantes para criar e constantemente se inovar – tudo muda e tudo é possível. O jovem, que nasceu em 1932, poderia dar aula de juventude e de século XXI para muitos que se encaixam na janelinha objetivamente burra de 18 a 24 anos. Ontem, na casa 14, no Curso de Economia do Brasil e Desenvolvimento, ele fez exatamente isso.

Anúncios

Uma resposta em “Paul Singer, um jovem de 80 anos

  1. Pingback: Aula 4 do Curso de Economia à Esquerda: a discussão das alternativas | Brasil e Desenvolvimento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s