Feliz Natal pós-Colonial

Por Izadora Xavier

Seríamos, assim, todos indígenas, índios invadidos pelos europeus; todos nós, inclusive, é claro, os europeus (eles foram um dos primeiros povos indígenas a serem invadidos).

Não só porque eu não vou conseguir fazer uma análise apropriada de coisa nenhuma ainda com a barriga cheia da ceia, mas também porque acho que os leitores do blog merecem algo que faça jus ao título de “presente”, essa época do ano, meu post é apenas pano de fundo para os quatro textos que vou linkar. Eles devem servir também de presente de reveillon, se é que isso existe, pois rendem um ano de reflexão, quem sabe mais. São um apanhado de leituras que eu mesma só tive a sorte de conhecer em 2012.

Temas afeitos ao tratamento das populações indígenas dentro do território nacional estiveram na pauta política brasileira esse ano, e essa é uma discussão que tem me angustiado bastante. Por sorte, essa angústia foi seguida pela descoberta do trabalho de quem se pode dizer que é o maior antropólogo vivo do país, Eduardo Viveiros de Castro. Professor titular da UFRJ, ele foi também professor convidado na École des Hautes Études en Sciences Sociales, na Universidade de Chicago e na Universidade de Cambridge. Os artigos dele que tive a sorte de ler, para uma completa leiga em Antropologia como eu, não só foram um deleite em termos de explicações sobre a filosofia de Deleuze e Gatari, como também foram uma prazerosíssima incursão na epistemologia da disciplina antropológica e suas implicações políticas. Dessa forma, pareceu-me um presente interessante para xs leitorxs do blog, a quem podem interessar textos que estão na vanguarda científica do pensamento antropológico, além de terem pertinência para pensar a política brasileira.

Em sua palestra para o concurso de professor titular da UFRJ, Viveiros de Castro apresenta um panorama geral do seu percurso intelectual, centrado sobretudo no escrutínio do mindset dos povos ameríndios, o que ele chama “perspectivismo amazônico”, e da filosofia contemporânea pós-estrutural, analisados simetricamente para iluminar-nos sobre ambos os lados da experiência humana. De maneira similar, ele recorre de novo a esses povos para discutir as concepções de Estado e desenvolvimento presentes no debate político brasileiro, em artigo também desse ano, publicado na esteira das discussões sobre Belo Monte. Nos dois casos, o que mais me chama a atenção, em termos das implicações políticas da proposta antropológica de Viveiros de Castro, é que não se trata simplesmente de abrir espaço dentro dos nossos sistemas cognitivos e modelos institucionais para “dar voz” a uma alteridade que não pode ser ignorada ou que não se quer suprimida ou silenciada. Trata-se de ser capaz de abrir-nos a essa experiência de maneira muito mais profunda, não dando voz a ela dentro dos nossos sistemas, mas descobrindo o que há dessa voz dentro do nosso sistema, fortalecendo-a e, nesse processo, transformarmo-nos, não apenas na nossa capacidade de debater e de existir junto ao outro, mas na nossa compreensão mesma do que define o debate político e o sermos um “nós”. É preciso repensar a presença indígena “dentro” da sociedade brasileira não nos termos de como fazer “conviver” os diferentes paradigmas. É preciso permitir-nos compreender o que são essas povos e o que eles nos permitem transformar dentro do modelo hegemônico — ou dos modelos que competem pela hegemonia, hoje. Como consequência, a sustentabilidade não advém de um modelo econômico que permita a diversidade existir zoologizada, alterizada, “preservada” à margem do modelo hegemônico do “desenvolvimento” – independente do quanto ele se pretenda “sustentável” (ou seja, que não “perturba” os demais modelos com que convive, com os quais está constantemente construindo e guardando limites). A sustentabilidade só é possível na aceitação da transformação como condição do ser — é abrir-se aos demais modelos, é aplicá-los à nossa realidade, canibalizá-los, antropofagizar o outro, em vez de colonizá-lo (pressupondo um vice-versa nesse movimento).

O que não é outra coisa senão a proposição de um “imaginar para revolucionar”, motivo pelo qual acho que o meu é um bom presente para ser oferecido nesse espaço.

Vou encerrar minha tentativa de introdução-comentário-paráfrase aqui, porque me vejo limitada na compreensão do autor — tão rico que prefiro convidar todxs a o lerem e produzirem suas próprias interpretações — e na minha capacidade de expressão.

Deixo a recomendação de leitura como voto de um 2012 pós-estrutural, pós-colonial e antropofágico-imaginativo para todxs.

Uma resposta em “Feliz Natal pós-Colonial

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s