Imaginação

Por Gustavo Capela

Imagine. Um mundo azul, um mundo colorido. Simples de viver, fácil de apreender. Mundo de paz, mundo de amigos. Mundo dos mais, mundo de abrigo. Um mundo onde línguas se fundem a favor da comunicação, um mundo onde o tato é a principal ligação.

Imagine? Mundo sujo, mundo pronto. Pronto a rechaçar, a fingir. Não entende mensagem, não emite mensagens. Repete, coleta, repica, reutiliza, cospe. O mundo brutal que se pretende real. O mundo que consome o sonhado. O mundo que sonha o consumo.

Imagine. Um sonho. Imagine um sonho. Um sonho aberto. Um mundo desconhecido, aberto à construção intuitiva. Um mundo. Um mundo novo. Onde a arte de brilhar não é privilégio do sol, que aquece a cabeça. Um mundo onde a pilha de imagens não reflete um padrão.

Imagine. Uma canção. Esquecida em sua lembrança. Cantada para esquecer o artista. Para justificar cenários. Para fingir ouvir o grito de desesperados. Uma canção. Uma versão. De uma verdade. De solidão.

Imagine. Imagine o mundo. Imagine o mundo sem arte. Sem a arte que lembra. Sem a arte de quem não quer lembrar. Sem a arte que expõe e nos força a encarar. Uma verdade. Uma situação. Imagine o mundo. O mundo sem a arte. Que nos faz imaginar.

Anúncios

3 respostas em “Imaginação

  1. Muito bom o texto. Me fez lembrar de um trecho do Livro do desassossego, do F. Pessoa, que, por sua vez, me lembra o Capela:
    “Quanto mais alta a sensibilidade, e mais sutil a capacidade de sentir, tanto mais absurdamente vibra e estremece com as pequenas coisas. É preciso uma prodigiosa inteligência para ter angústia ante um dia escuro. A humanidade, que é pouco sensível, não se angustia com o tempo, porque faz sempre tempo; não sente a chuva senão quando lhe cai em cima”.

  2. Me lembrou o Castoriadis, A instituição IMAGINÁRIA da realidade. Não é poético, mas é bonito. Vale a pena ler.

    Esse trecho: “O mundo brutal que se pretende real.” me veio à cabeça a frase dele de que, sempre, quanto menos polissêmico um fato / evento / fenômeno / objeto, mais ideológico ele é. Imaginário ideológico, que se pretende um e única realidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s