Do protesto à tortura

Sábado, dia 17 de Abril de 2010, foi mais um dia que entrou para a História do Distrito Federal, dentro do contexto da maior crise Institucional-Política já enfrentada pela Capital desde sua Fundação, 50 anos atras. Os protestos se iniciaram na sexta-feira a noite, através de uma vigília convocada pelo Movimento Fora Arruda e Toda Máfia em frente à Câmara Legislativa do Distrito Federal. Na vigília houve músicas, brincadeiras como Mímica e reflexões.

O sábado começou agitado, das cerca de 30 pessoas que dormiram na vigília, às 14h da tarde o número saltou para quase 300 pessoas , uma hora antes de iniciar a sessão da Câmara que elegeu o escolhido de Arruda pra Governar Interinamente o Distrito Federal até 31 de Dezembro. Estudantes, trabalhadores, cidadãos vieram de toda parte do DF protestar contra uma eleição totalmente ilegitima, que dos 24 votantes do seu colégio eleitoral, 10 parlamentares e suplentes foram flagrados na Operação Caixa de Pandora: a Eurides da Bolsa, o Geraldo Naves que saiu da Penitenciaria 4 dias antes da votação, entre outros.

Às 15h, quando iniciava-se a sessão dentro da Câmara, na rua que dá acesso à CLDF manifestantes atearam fogo em pneus interditando por 10 minutos a via. Às 16h dezenas de manifestantes tentaram entrar na galeria para garantirem o ideal democrático de que na casa do povo, o povo, não pode ser impedido de entrar, ainda mais quando em nome dele, corruptos decidem. A resposta imediata da polícia militar, sobre o comando do Coronel Silva Filho (aquele que em 09 de Dezembro, a mando de Arruda, massacrou com cavalaria e muita violência 5mil cidadãos que protestavam em frente ao Palácio Buriti) foi de repressão violenta, cacetadas para todo lado, gás de pimenta, socos e pontapés. 20 pessoas ficaram feridas, 8 tiveram que ser atendidas em hospitais, 2 policias se feriram, 6 pessoas foram presas. Eu fui o segundo a ser preso.

Quando prenderam o primeiro companheiro, eu era um dos que gritavam para soltá-lo, e gritei bem forte várias vezes “Vocês têm que prender os filhos da puta que estão aí dentro votando em nosso nome”. No meio do caos, muita confusão, um tenente já conhecido meu de outros protestos, olhou no meu olho enfurecido e disse que prenderia a mim. Eu disse “Prende então, não estou fazendo nada”. Fui preso por desacato a autoridade.

A PM estava enfurecida, mas fui conduzido primeiro para a 2º DP, onde já encontrei rapidamente com o advogado do Movimento Fora Arruda e Toda Máfia, que me orientou a ficar em silêncio até a chegada dele na DRPI, para onde eu estava sendo transferido, pois era um direito constitucional meu. Fiquei 30 minutos na viatura, sem sofrer qualquer violência dos Policiais Militares. Chegando na DRPI, ainda sozinho, na presença apenas dos 3 policiais militares e 3 policiais civis, sentei-me no banco e aguardei, então começou a tortura moral. O policial civil agente Barcelar, que me torturou fisicamente momentos adiante, iniciou o dialogo com os policias militares dizendo que esses baderneiros deviam ser todos viados, porque ao invés de estarem em casa fudendo uma mulher, estavam nas ruas protestando, e aí seguiram-se as ofensas verbais, eu, calado.

Num dado momento o agente Barcelar me perguntou se minha identidade era do Distrito Federal, eu disse que era de Minas Gerais, aí, mais ofensas “O que você tá fazendo aqui seu merda? Você nem de Brasília é seu bosta e tá protestando, puta que pariu, etc”. Em seguida perguntou meu nome para puxar minha ficha, eu disse “Só vou falar quando meu advogado chegar” isso foi o suficiente para dar início a tortura.

O agente Barcelar, (ex-carcereiro por mais de 15 anos, agora trabalhando no “Administrativo”) após a minha simples frase de que estava aguardando meu advogado, deu a volta no balcão de atendimento, foi até a cadeira em que eu permanecia sentado, me pegou pela camisa me jogando com violência no chão, rasgando toda a lateral da camisa, e já iniciando uma série de murros na cabeça, chute, e me arrastando pelos cabelos junto a outro agente da polícia civil, que eu não soube identificar posteriormente porque eu estava no chão, e as duas mãos do agente Barcelar a a mão do outro agente me arrastaram pelos cabelos, pelos corredores da DRPI, até chegar na cela, onde, por estar sendo arrastado lesionei a coluna na barra de ferro do chão da cela.

O agente bateu a porta da cela e disse que eu era um merda e que iria apanhar mais.

10 minutos depois o advogado e minha namorada chegaram, de dentro da cela eu escutava o agente Barcelar dizer que eu tinha me jogado no chão, de lá da cela eu gritava que tinha sido espancado. Quando o advogado chegou diante da cela, lhe disse que fui espancado, o agente chegou a admitir na frente do advogado, dizendo que me puxou pelos cabelos porque eu não quis fornecer os dados que me solicitou. Mais adiante, conforme mais pessoas chegaram, o agente passou a dizer que nada aconteceu, que eu estava com a camisa rasgada e com visíveis marcas de agressão porque me joguei no chão.

Depois, fui conduzido enjaulado em uma viatura da Polícia Civil até o Instituto Médico Legal, onde foram constatadas todas as agressões que sofri na DRPI. O mesmo agente Barcelar tomou meu depoimento e se negou a colocar no inquérito as agressões que sofri, colocando a si próprio como vitima, me acusando de ter resistido a prestar informações.

Eis o Estado de Direito, onde Parlamentares corruptos nunca vão, e quando vão, nunca permanecem presos. Eis o Estado de Direito, onde você vai preso por desacato por protestar, e quando chega sozinho na Delegacia de Polícia, é ofendido verbalmente e em seguida espancado covardemente na presença de 6 polícias.

Parabéns Brasília? 50 anos de Quê?

Diogo Ramalho é estudante de Letras Espanhol da Universidade de Brasília; membro do Movimento Fora Arruda e Toda Máfia; coordenador executivo e editor político do Jornal O MIRACULOSO.

Anúncios

15 respostas em “Do protesto à tortura

  1. Pior é que isso é mais comum que se imagina…uma amiga mesmo foi assaltada, quase sofreu violencia sexual e tiveram a coragem de insultá-la por não ser de Brasília e ainda não registraram o B.O por considerar que ela NÃO DEVIA TER PASSADO NO LOCAL… Oo’

    • Existe algum relato blogado deste absurdo cometido contra sua amiga pela polícia do DF? Se não, isso tem que ser blogado e divulgado. O único jeito de se tentar mudar estas coisas, e torná-las impossíveis de não ver, incômodas, problemáticas, para as autoridades (pretensamente) competentes e para o povo.

  2. Cenas de tortura como estas são, infelizmente, muito comuns. Isso não quer dizer que sejam menos inaceitáveis e absurdas! Ainda existe em nossa polícia um ranço dos tempos da ditadura. Mas este ranço não está, de forma alguma, pouco atual. Uma polícia que bate e tortura manifestantes e cidadãos marginalizados (ou seja, qualquer um que não seja beneficiado por nosso regime de desigualdades) é uma polícia extremamente adequada à atual ordem das coisas. Vale pensar inclusive que um Estado que tem uma Polícia Militar é um Estado que, a rigor, está em GUERRA com seu povo.

  3. Pingback: Serra: O Brasil pode mais. Mais presídios, mais do mesmo. « Brasil e Desenvolvimento

  4. Não Entendo!

    Não consigo entender o que acontece quando esse Coronel está a frente das operações policiais. Tanta violência não tem justificativa. Parece que é um batalhão de violência, começando por ele e terminando no simples soldado e passando por Delegados e tudo o mais. Não entendo como sob o comando dele fomos agredidos daquele jeito no dia 09 e agora no dia 17. Não estava em nenhum dos dias, mas é como se estivesse. Aquela violência toda só me lembrou da invasão da UnB em 77/78. Naquela eu estava e cheguei a ficar cara a cara com o King Kong, alguém lembra dele? Vi ele da um soco numa menina frágil de pouco mais que 18 anos, quebrou a cara dela, achatou, ela teve que passar por cirurgia plástica. Eu parti pra cima, pequeno do jeito que sou de tanta revolta e fui jogado pra dentro de uma sala com tal violência que por lá fiquei. Ali me parece isso. Comunistas, viados, baderneiros, sapatão…era o que ouvíamos, será que não tá na hora de mudar isso…nada justifica essa violência, a não ser a impunidade, a falta de direito numa capital que deve estar chorando pelos seus 50 anos, uma capital que escolhemos viver, porque ela nos acolheu e Brasília, não tem meio termo: ou se ama dou se deixa e depois que se ama, não se consegue amar outro lugar. Mas respeito gente, Brasília merece, nos que a amamos merecemos. Que sejam enquadrados na Lei os king Kongs da história, ontem, hoje e sempre.

    Mário Brasília 50 Anos

  5. link para mp3 – http://brasil.indymedia.org/media/2010/04//470104.mp3

    Desacato a Autoridade (Desobediência Civil)
    év 19/04/2010 10:39
    nascidadedesi.ning.com

    Desacato à Autoridade – compasso: 4/4, tonalidade: Mi menor; ritmo: punk rock

    (éveri sirac – lua isis – herétic@s & profan@s)

    Introdução:
    (Em G F#m Bm) 4x em 6/8

    A1
    Em G F#m Bm
    Há muito tempo eu queria te dizer
    Em G F#m Bm
    tá tudo errado eu não vou mais fazer
    Em G
    o que você quer
    F#m Bm Em G F#m Bm
    eu não vou mais fazer o que você quer

    A2
    Em G
    Você me pede pra votar
    F#m Bm
    mas eu não vou te sustentar
    Em G F#m
    pois você sabe o que eu sempre quis
    Bm Em
    foi te matar
    F#m
    o que eu sempre quis
    Bm Em G F#m Bm
    foi te matar

    A3
    Em G
    Engravatados macacos
    F#m Bm
    com seus cães armados
    Em G F#m Bm
    mantém elevados índices de violência
    Em G F#m Bm
    para os jornais manterem a audiência
    Em G F#m Bm
    para os jornais manterem a audiência

    B1
    Em C A Bm
    Eu não posso dizer a verda…de
    Em C A Bm
    é desacato à autorida….de
    Em C A Bm
    Eu não posso dizer a verda…de
    Em C D Em
    é desacato à autorida….de

    (Em G F#m Bm) 4x

    A4
    Em G F#m Bm
    Podem mandar sua polícia me bater
    Em G F#m Bm
    eu não posso aceitar ter que pagar pra viver
    Em G
    eu vou lutar
    F#m Bm
    não vou me render
    Em G
    eu vou gritar
    F#m Bm
    entupir o funil
    Em G
    eu vou causar
    F#m Bm
    desobediência civil
    Em G F#m Bm
    eu sou a doença que você não preveniu
    Em G
    desobediência civil
    F#m Bm
    desobediência civil

    B2
    Em C A Bm
    Eu não posso dizer a verda…de
    Em C A Bm
    é desacato à autorida….de
    Em C A Bm
    Eu não posso dizer a verda…de
    Em C D Em
    é desacato à autorida….de

  6. Pingback: Estudante espancado em delegacia por participar de manifestação política « Fotografias e Palavras

  7. solidaridade diogo
    Estou louco leendo esta materia aqui na França. A merda continua
    Muita força e muito apoio dum outro continente, é pouco mas sao lembranças duma outra luta que participemos que da vontade de estar com todos voces agora !!!!

    Nao desistem !

  8. Pingback: E Brasília, onde está? « Primeira Instância

  9. Pingback: Serra: O Brasil pode mais. Mais presídios, mais do mesmo.* « Liberdade Política

  10. Pingback: Observatório da violência policial contra manifestações políticas « Brasil e Desenvolvimento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s